You are currently browsing the monthly archive for setembro 2011.

O amor não foi feito
Para gente

Gente não sabe do amor
Mais que a palavra

E a palavra em si
Não diz nada

Gente
Quando fala em amor
Conta medo

Quando acha que é amor
Sente medo

Quando abraça cheio de amor
É só medo

De perder

O amor não foi feito
Para gente

De carne e osso
E pele marcada de tempo

A pele sente tanto medo
Que o amor sai correndo

Dos olhos
Dos poros

Do meio das pernas

O amor não foi feito
Para gente

Que não sabe o que sente

E só chama de amor
Por medo de dar nome

Aos bois

Everton Behenck

Anúncios

Uns sucumbiram
À biologia

Outros trocaram a arte
Pela vida

Uns negaram
O que ardia

Para ter alegria

Uns tornaram-se rudes
Ao fim da juventude

Outros sempre souberam
O que eram

E nem por isso
Viveram

Uns não fedem
Outros cheiram

Everton Behenck

Foi sem aviso
Que uma lágrima

Aconteceu em seu olhar

Enquanto ouvia
Minha voz

Que cantava
Na frieza de uma tela

Algo se moveu nela

E foi em minha direção
Que se precipitou

Isso que precisava ser dito
De um modo físico

Para que fosse ouvido
Por mais de um sentido

E assim ficasse impresso
Nos olhos, na pele, nos cílios

Como um livro
Que só pode ser lido

Com os olhos fechados

Everton Behenck

Fazei com que eu tenha força
Para carregar esses músculos
E litros de sangue

Que tem o peso imenso
Do tempo

Correndo

Me permita ter fé
De que a natureza

Sem saber o que é justo
Fará o que é preciso

E me conceda a graça
De ser perdoado

Porque não acharei justo ou certo
Meu fim

Por mais natural que seja

Me conceda paz
Sem que isso signifique

Cuspir a voz
Desistir do olhar
Ou de uma certa fé

Particular

Pelas coisas
Que os homens fazem

Simplesmente
Porque não sabem

Não me deixe
Levantar a ira

Sobre o que não tem culpa
De existir

E sendo assim
É completamente inútil

A ira

E não gostaria
De arrastá-la

Pela vida

Me permita
Amar um pouco mais

Seja isso
Um sorriso no escuro
Ao deitar

Ou apenas uma maneira
De expandir as costelas

De uma forma
Que não seja percebido
Apenas o oxigênio

Do lado de dentro
Do peito

Desejo
Que me seja concedido
Um último pedido

Que guardarei em segredo
Como se tivesse a força
De quem ainda acredita

Em orações

Everton Behenck