You are currently browsing the monthly archive for dezembro 2009.

Ando louco pra escrever mas to precisando organizar a vida.
Valeu a quem andou por aqui. Escreve pra mim.
Comenta alguma coisa quando me encontra.

Vocês são uns amores.

Beijos e um dois mil e dez com um pouco mais de poesia. Mesmo que dolorida.

Não é fácil
Se despir na porta

Antes de ir embora

A nudez das coisas
Que não estarão em nada

Além da pele

Nesse momento
Não servem

As infinitas possibilidades

Minha idade
Carrega os anos
De vocês todos

E pesa tanto
Levá-los comigo

Mas como é bonito

Everton Behenck

Anúncios

Não vou dizer nada
A mão encostada no rosto
Que diga

Os dedos entre os cabelos
Que falem

O beijo que conte
À boca

O que lhe é urgente

Não direi uma palavra
O tronco inclinado
Na direção dela
Que fale o que é preciso

Que meça a distância

Que peça abrigo
No abraço

Não direi que vidas se passam
Ao meu lado

Até que ela volte
Passo a passo

Não falarei da ausência
A face que fale
Por mim

Será assim

Sem nenhuma palavra
Que ela saberá

Que agora
É tarde para ir embora

Everton Behenck

Não ria
Da minha agonia

É ridícula
Mas é minha

Não vire as costas
Para minha palavra

Ela só quer uma resposta
Mesmo que seja o silêncio

Desde que seja intenso

Everton Behenck

Medimos em passos, metros

Quilômetros

Contabilizamos segundos, minutos

Anos

Somos bichos
Feitos para o espanto

Com a ausência do que amamos

Somos feitos para ter por perto
O afeto

Precisamos do carinho
Do abraço

Do passo ao lado

Precisamos preencher esse espaço
Vago

Em nossos braços

Precisamos desesperados
Nos encontrar

No que nos é tirado

Dependemos do beijo
De uma palavra que nos justifique

Somos sempre as mãos estendidas
Chamando

Muitas vezes somos o outro
Mais do que somos

Everton Behenck

Queria conhecer
Cada uma

Das infinitas mulheres
Que amam sob tua pele

Que desejam a boca no seio
Um segredo entre as pernas

Que esperam seu tempo

Aí dentro

Todas
Que olham furtivas

Que imaginam vidas
Tão distantes

Que são amantes
Sem culpa

E se entregam a si mesmas

Sedentas
Ao pressentimento da cama

Que se culpam

Sem nunca ter feito nada

E já não sabem
A quem devem seus desejos

Ao outro ou a si mesmo

Que exercitam
Seu poder infinito

De possuir espíritos
Masculinos

Que seguem seus instintos
E só vêem limites na própria vontade

Que ardem

Porque ter algo que queima
Dentro

É sempre um pressentimento
De que logo não estaremos

E que só restará
No último instante

A vida
Vivida

Na certeza da despedida

Eu chamaria
Por todos os seus nomes

Se soubesse

Everton Behenck

Suba no ponto
Mais alto

Da tua consciência
E salte de cabeça

Desça ao que há de profundo
Onde está isso tudo

Que somos

Conhecidos e estranhos
No mesmo corpo

Desça
Mesmo que o ar te falte

Mesmo que escureça
Em tua profundidade

Descubra teus naufrágios
Tuas moedas perdidas

Tuas correntes marítimas

Navegue em tua entrega
Continente

Do que sente

Há de ter oxigênio o bastante
Há de encontrar tua própria Atlantis
Há de conhecer essa civilização perdida

Com sua própria língua

Depois
Venha à tona de si

Que eu estarei aqui

Everton Behenck

Você já me teve
Tanto

Que esqueci
Minha procedência

Você inventou
Minha inocência

E a matou

Você escreveu
Minha certidão

De nascimento

Mas teve medo
Desde o primeiro momento

Everton Behenck