You are currently browsing the monthly archive for abril 2013.

Não espero que nosso amor
Quebre seus ossos

Para caber em outro corpo

Não vou forçar
A reencarnação

Temos nossas próprias
Cores inóspitas

E não pretendemos
Transformar um no outro

Para que eles se anulem

Eu existo
Para que você exista

E hoje
Nenhum de nós liga

Para as coisas que nos separam
Sem que nos afastem

Não somos metades
Nem a terra prometida

Somos humanos
E isso é ter algo faltando

Não somos o que se encaixa
Nem o que se completa

Alguns lugares foram feitos
Para ficarem vazios

E ficarão

Não somos
Almas gêmeas

Ela fala com seu anjo
Enquanto eu

Enfio o dedo no nariz de deus

Não pertencemos um ao outro
Sendo que a vida pode nos tirar
A qualquer hora

Sem maiores explicações

E isso
Faz toda diferença para mim

Nós não somos um casal de novela

Nem impressa
Nem das oito

Nós não somos espelho
Um do outro

Não olho para ela para me ver
Olho para ela para vê-la

Mas isso não impede que ela seja
Uma espécie de versão de mim

Que existiria em algum universo
Paralelo

Somos um encontro
Fundador na vida do doutro

Nós
Nos inauguramos

Somos o hemisfério esquerdo
E direito

Do mesmo cérebro

Somos o exato instante
Do ataque

Epilético

Depois
Somos o remédio

Everton Behenck

Anúncios

Aquele menino
Já sabe o que é
Não ter paz

Sente

Que dentro de si
O tempo passa
Muito mais rápido

São anos correndo
Em seu choro lento

Nasce dentro do menino
O homem

Dentro do homem
O velho

Aquele menino
Tentando falar

Por entre os restos
De dignidade

No gesto desesperado da mãe
Frente ao silêncio do pai

Aquele menino
Tentando ser justo

Na balança dos lábios
Pequenos

Não quer marcar ninguém a ferro

E como queimam
As palavras das crianças

Aquele menino
Mede suas lágrimas

De criança farta

E vai passar a vida
Dizendo que não foi nada

Mas serão incontáveis as vezes
Que pensará nisso a noite

E logo se voltará
Para as pequenas coisas da casa
A mulher amada
O filho que terá um dia

Mas que agora

Não passa de uma criança
Feita de sombra

Aquele menino
Que levanta as mãos

E as abaixa

Com a pressa mágica
De sentir-se capaz

De dizer com o ar

Aquele menino que está
A milhares de quilômetros de mim

Tentando conciliar os pais
Dentro de si

Aquele menino
Onde alguma coisa
Se perdeu

Sou eu

Everton Behenck