You are currently browsing the monthly archive for janeiro 2011.

Já não sei dizer
Saudade

Sem que seja
Repetir teu nome

Insistentemente

Te procuro
Sem perceber

Que você
Está aqui

E por isso
Me faz tanta falta

Os anos
Se acumulam

E você não volta

Para esse lugar
Onde nunca esteve

E que só existe
Por tua causa

Quanto tempo leva
Para desistirem

As portas?

Everton Behenck

Anúncios

Deixem o demônio
Em paz

Já não basta levar a culpa
Por todo mal que fizemos

Desde o começo dos tempos

Pagando por tudo
Que confessamos

Culpando o demônio

O diabo já está farto
De vender barato

Todos os pecados
Que tanto adoramos

Sem receber em troca
Nenhuma alma

Dêem ao pobre diabo
Um descanso

Deixem o demônio
Se recuperar

Do tombo

Derrubado do céu
Para redimir a humanidade

Da responsabilidade

Everton Behenck

Porque vocês não deixam
deus em paz por um momento

Não basta o peso

De ter sido criado
Com o intento

De ser eterno
E perfeito

Deixem deus em paz

Ele também não sabe
De onde veio

Nem porque

Ele também se fez
Todas as perguntas

E também não obteve resposta
Nenhuma

Pai porque me abandonaste

Tenham piedade de deus
Tão imperfeito

Feito

Nossa imagem
E semelhança

Everton Behenck

O vento
É sempre um bom

Conselheiro

Porque fala
Do que é invisível

E precisamos tanto disso

O vento
É a língua

Do tempo

E nos ensina
O que é eterno

Em sua lição
De verbo

Infinitivo

O vento é sempre
Um bom amigo

Em sua conversa

De galho
Batendo

Na janela

O silêncio do vento

É nossa própria
Consciência

Sussurrando sua presença

Everton Behenck

Cada vez que você
Sorriu comigo

Sem motivo
Em um momento impreciso

Estávamos juntos

Sempre que você me perguntou
Se te amava

E eu respondi
Gozando contigo

Um filho
Merecia ter nascido

Sempre que te ofereci
Um copo d’água

Quando sua sede não esperava

Você estava
Na minha palavra

Cada vez

Que cantei a música
Em que você pensava

Era nossa a história
Sem importar o que a letra

Dizia

Cada vez que fazia
Seu prato preferido

Nossa fome era a mesma
E servíamos uma certeza

À mesa

Talvez seja
Por tudo isso

Que no adeus

Teus olhos
Foram os meus

Everton Behenck