You are currently browsing the monthly archive for abril 2011.

Um recém nascido
Jogado no lixo

Resgatado
Em um saco plástico

Um travesti
Chamado Carla

Morta a facadas

Por menores
Sem idade

Para sua sexualidade

Cinco desastres
Nas estradas

Em duas horas
Do feriado de páscoa

Uma bactéria resistente a medicina
E suas vacinas

Matando meninas
Antes da hora

Quase cinqüenta por cento
Dos brasileiros

Obesos

Medindo seu peso
Nas artérias asfixiadas

Corações partidos
Sem nunca terem sentido

Nada

Os especialistas recomendam
Trinta minutos por dia

De exercícios

Eu digo
Trinta minutos diários

De amor
Mesmo que precário

Procure seu endocrinologista
Ou uma menina

Para amar

Ou aproveite
Nossa receita

De ovos recheados
De chocolate

Representando fertilidade

Em Belo Horizonte
Escorpiões

Se escondem
Nos apartamentos

Medos pequenos
Invertendo contratos

De aluguel

Aracnídeos e inquilinos
Diminuídos

Em uma lágrima
Imobiliária

Na china
Abelhas assassinas

Nas salas

Mas em Santos
Neymar marca

Libertadores
De nossas dores

Santos classificado

Um cristo morto
Ressuscitado

Em nova Jerusalém

Mas era
Só um ator de novelas

Por isso o sinal da cruz
Será inevitavelmente

Feliz

Beijo e afeto
Técnicos

Então coloque à mesa
Um cardápio

De bacalhau
Falsificado

Para que seja
Com certeza

Uma sexta feira
Santa

Everton Behenck

Anúncios

Eu inventaria
Toda sua família
Se pudesse

Criaria um primo
Para que me contasse

O quanto você era linda
Quando menina

E como sente até hoje
Teu cheiro

De quem vai para e escola
Com os cabelos molhados

Eu criaria sua mãe
Para vê-la plena de você

E ver os olhos que ela
Imaginava para a filha

E como era bonita essa menina
Que ela sonhava

E mais ainda
Qual surpresa

Seria ver sua beleza pequena
Na maternidade

Eu inventaria seu pai
Para que ficasse lá fora

Ansioso e tolo
E ele me entenderia

Completamente

Eu inventaria
Uma tia

Para que fosse mãe do primo
Aquele

E repetisse com ele
O mesmo enredo

E acrescentasse
Alguns detalhes

De bolo e café da tarde

Para você comer com os olhos enormes
De devorar chocolate

Eu criaria uma avó
Para amar tua mãe

Para abraçar você

E sentir-se capaz
De morrer

Porque já não lhe falta
Nada

E faria um avô
Para beijar a antiga amada

E mostrar que é possível
Viver infinito

Apesar do tempo
Nos agredindo

Eu faria um filho
Para saber

Que apesar de qualquer divorcio
A combinação de olhos e boca
Nossos

É inseparável em seu rosto

Eu inventaria todos
Para que você

Rodeada por tanta gente
Que criei por ti

Nunca quisesse partir

Everton Behenck

Não espere da vida
O que ela ensina

Ela não educa
Apenas mostra

E somos tudo aquilo
Para o que viramos as costas

Sem dar resposta

Você gosta
Detesta

E a vida
Não se importa

Ou você a decifra
Ou ela te devora

Everton Behenck

Com certeza
Te amo

Com toda a gana
Das mãos

Vazias

É claro
Que sinto tua falta

E chuto latas pela rua

É óbvio
Que estou bêbado

E quem está falando
Esse amor todo

É uma garrafa
De wiskey sem gelo

Afinal

Quem mais
Confessaria

Tanto

Sem a inocência
Dos doze anos

Everton Behenck