You are currently browsing the monthly archive for novembro 2013.

Ela esmaga
Com os cílios

Cada uma das quatro letras
Da palavra perfeita

Ela quebra meus dedos
Com seus cabelos

Para que minha mão não escreva
Este poema

Ela agride o que sinto

Para ter certeza
Da sua presença

Ela deseja estar

Sem entender
Que nunca se ausenta

Tudo que faço
Digo e sinto

Tem sido por ela

Mesmo quando fica irreconhecível
E vocifera

Palavras que nunca
Nasceriam entres suas costelas

Ela
É prisioneira dela

E eu

Sou seu colega
De cela

Everton Behenck

Anúncios

É o que a gente cala
Que ensurdece

São essas coisas

Que a gente vai colocando
Como agulhas sob as unhas

Fingindo ar sereno

São esses venenos
Onde a gente lava o rosto

E seca a voz

São esses sapos
Que a gente planta na garganta

São esses pequenos medos
Cotidianos

Que nos roubam os anos

São os camundongos
Andando em nossos cantos
É a torneira fechada que não para:

Sonhos

Planos

Medos

Quanto

Nada

Everton Behenck