You are currently browsing the monthly archive for novembro 2015.

Eu ganho paixões cadentes

De presente

Amores eternos
Que eu nego

Eu não consigo dormir a noite

Eu gasto os músculos
A todo custo

E não há força
Que sustente

Eu queimo
E apago incêndios

Com água ardente

Eu não sou gente
Nem bicho

Não estou vivo
Nem suicido

Eu apenas brinco
No abismo

Que não mede mais
Que a caixa de areia

Onde brinca
Uma criança

Na coragem da infância

Anúncios