O certo
É que temos
Um ao outro

Esticando os braços
Na altura do tombo

Nós estamos

O tempo passa seu vento
Sobre nosso rosto

E nós somos
Nós menos um ano

Mas estamos

A vida nos testa
E nos atira para todos os lados

Dificultando o equilíbrio no barco
E caímos de vez em quando
E nos afogamos

Mas nós

Nós estamos

A vida cotidiana
Nos tortura
Com sua loucura

Implícita

Os capitalistas
Ganham seu dinheiro
A custa do esforço alheio

E nós fazemos nossas economias
De afeto ao meio dia

E acima de todos os contratos
Rasgados
E das crises que reescrevem nossos planos

Nós estamos

O passado
E tudo que os adultos
Sem piedade nenhuma

Marcaram na pele
Das crianças que fomos

São hoje um exercício consciente
De um sofrimento distante e latente

Um cuida
Da memória do outro

Para que se cure o presente

Para que seja possível
Atravessar todos esses anos

Nós estamos

Everton Behenck