Esse fascínio pelas coisas
Que nunca mais acontecerão

A última vez
Da mão no rosto
No último abandono

O último olhar pelo vidro
Da sala
Vendo ela entrar em casa

O último pedido
Sem palavras

Para o primeiro beijo
Que nunca veio

O último desespero
Ao dizer amor

Sem que signifique nada

A última palavra
À mulher amada

Sem que ela entenda
Nada

A última pegada
Naquela estrada

Sabendo desde o primeiro passo
Que nunca voltaria

A última alegria
A ser esquecida

Logo em seguida

E que um dia fará
Tanta falta

A última vez
Que se volta

Pela última porta

Everton Behenck