O céu que entra
Sob a pele

Ensinando
O que é Imenso

Aos poros

O céu e seu tormento
De ser eterno

O céu e sua inveja
Da nossa finitude

Entra sabendo
Que não cabe

Para que o homem sofra
Essa angústia de ser

Mínimo

O céu que entra
Para dizer nosso tamanho

Nos tornamos

A fração do que o céu
Nos deixa

Quando entra

Everton Behenck

*esse tava lá no Pássaros Achados e eu tinha esquecido de colocar aqui.

Anúncios