É preciso nascer
Tantas e tantas vezes

Para morrer novamente

E de novo voltar
A superfície da vida

É preciso repetir o dia
Em que nascemos

Mais plenos

É preciso inventar a vida
E nosso nascimento

É preciso que sejamos
A mãe e o pai do morto

É preciso sermos nossa própria doença
Para oferecer como recompensa

Uma vida mais plena

Precisamos entender
Que o único e grande intento

É sobreviver a nós mesmos

Everton Behenck