Então morri

A exatos três quartos
Entre uma e outra hora

E agora

De que serviu
O tapa na cara

Na caligrafia da raiva

De que adiantou
Procurar sentido
Atormentando o espírito

Que não acho

Nem sob
Nem sobre

O corpo morto

De que importa
O sucesso que não tive

O reconhecimento
Que não me ofereceram

Não interessa

Se havia dinheiro
No bolso que agora
Jaz vazio

Sobre meu frio

De que serviu
O verso

Que foi impresso
E o que ficou inédito
Em minha língua

A poesia

Não é uma continuação da vida
Como eu queria

Ninguém me conhecerá
Ou conhece
Através do que minha mão

Já não escreve

Mas felizmente
Não dói assim

Tanto

Acordar morto

Everton Behenck