Quero olhar nos olhos
Do esquecimento

Pedir que me devolva
As páginas arrancadas

Não lembro direito
Da infância

Do carinho paterno

Da atenção de sua barba
O esquecimento deve ter posto
Essas lembranças no bolso

Quando meu pai foi embora

Mas agora
Quero de volta

Já perdoei sua ausência
E o espaço para elas está limpo

A espera

Não recordo do primeiro beijo
Deve ter sido sem jeito

Devo ter mordido os lábios
Ou pode ter sido

De despedida

Mas já tive tantos amores
Em minha vida
Que essa dor
Se é que foi

Doída

Já está redimida

E já posso conhecer seu rosto

Não me lembro do primeiro choro
Em que me doía

A vida

Já aprendi a tirar alegria
Do dia
E plantar flores na ferida

Queria que o esquecimento
Me devolvesse os começos

Everton Behenck