Tenho esse medo
De ser inoportuno

De estar atrasado
No ponteiro das palavras

Tenho essa vontade
De fazer um carinho

Desapercebido

De velar o sono
E desenhar um sorriso
No rosto dormindo

Tenho esse receio
De ferir em um gesto

Mesmo de afeto

Recolho a mão
Na segurança
Das mangas

Ofereço as costas
Do afago

No valor que atribuo
À palavra não dita

Só tenho a dizer
Os lábios

Everton Behenck