Tenho tanto medo
De desejar o peito inerte

E ser ouvido

E no último segundo
Estar arrependido

Sem passo atrás
Ou adiante

Tenho esse medo constante
De estar certo

Em meus versos

Tenho medo de viver
E morrer logo à frente

Com um olhar ausente
De quem nunca esteve

Tenho medo e desejo
Na mesma proporção

O céu e o chão

Everton Behenck