Eu quero a delicadeza

Mesmo que o dia

 

Lá fora

 

Não me deixe esquecer suas horas

Com a data marcada de agora

 

Onde o amor já não diz nada

 

Eu quero a inversão maior

 

Amar de fora

Para dentro

 

Um amor de pétala

Cheio de cuidado

 

E entrega

 

Uma oferenda branca

A uma santa negra

 

Que não se importa

Com quem lhe dá as costas

 

Em sua fé crucificada

 

Quero a voz segura

Para rezar essa palavra

 

Com as mãos espalmadas

De quem oferece

 

Em sua prece

 

Quero não ter medo

De acabar ridículo

 

Pregando em uma praça

Caindo em desgraça

 

Xingado aos gritos

 

(Nada mais maldito

Que um amor bonito)

 

Everton Behenck